Sejam Bem Vindos ao site oficial da Matriz de Santa Rita!

Confissões

Segunda: 10:00 às 12:00 hs
Segunda: 16:30 às 18:30 hs
Quarta: 16:30 às 17:30 hs
Sexta: 10:00 às 12:00 hs

Eventos

Missas

Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
07:00 Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita
07:30 Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita
08:00 Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita
08:30 Matriz de Santa Rita
09:00 Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita
09:30 Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita
10:00 Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita
10:30 Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita
12:15 Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita
10:30 Matriz de Santa Rita
18:00 Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita Matriz de Santa Rita

PARÓQUIA

Padre Wagner Apresentação:

No centro do Rio de Janeiro, mais precisamente no Largo de Santa Rita, esquina com a Rua Miguel Couto, está erguida a Matriz da Paróquia de Santa Rita. O Templo desafia, com sua singela e bela fachada, a grandeza dos edifícios locais. É um confronto harmonioso entre o estilo barroco-rococó do século XVIII e o arrojo da arquitetura moderna.

Descrição:

A Igreja tem fachada simples, junto à calçada, com detalhes expressivos do Barroco. Internamente, há um pequeno átrio sob o coro, tendo-se, à esquerda um batistério, uma pia batismal de mármore e um quadro a óleo com o batismo do Senhor Jesus, e à direita, uma imagem de Santa Rita e, de cada lado da entrada, uma pequena pia de mármore. A nave retangular apresenta as paredes laterais com pilastras que se estendem à cimalha com os arcos do teto abaulado, que apresenta lindos painéis.

No fundo da nave o majestoso altar com o trono da Padroeira, nos nichos laterais dois pares de colunas torsas, que guardam a imagem de Santo Agostinho, a esquerda, e a de Santo André Avelino a direita. O teto, abaulado, apresenta uma clarabóia central e três belos painéis de cada lado, com os mesmos simbolismos da nave.

No segmento da esquerda, ficam a secretaria e a sacristia.Nesta, há, à esquerda, a fonte histórica muito procurada no passado pelas curas milagrosas de doenças dos olhos; no lado direito, vê-se um nicho que guarda a primitiva imagem de Santa Rita de Cássia ( 1750) e belo lavabo português em mármore.

Dados Históricos:

O culto à Santa Rita de Cássia teve início no Rio de Janeiro antes de 1710, quando aqui chegaram o fidalgo português Manuel Nascentes Pinto, sua mulher Da.Antônia Maria e o filho Inácio. Veio em missão dada pelo rei de Portugal, D. João V. O casal trouxe de sua pátria um belo quadro de Santa Rita de Cássia, Santa de sua devoção, que por vários anos vinha sendo cultuada no solar da chácara, que ficava no limite da atual Rua Teófilo Otoni até a cercania do Morro da Conceição. De grandes virtudes e muito simples, todos os anos, no dia 22 de maio, os nobres portugueses reuniam muitos religiosos na residência senhorial, para a veneração da Santa de devoção, toda a Cidade era convidada. Em pouco tempo resolveu ampliar o local da veneração, construindo na propriedade uma Capela (atual Igreja de Santa Rita) e mandando vir de Portugal uma rica imagem da santa (esta até hoje no altar), guardada na Igreja da Candelária enquanto se construía o pequeno templo, cuja pedra fundamental foi colocada em 1720. Foi tal o incremento dado pelo fidalgo Nascentes Pinto, que a tudo custeava, que um ano após, em 1721, já estavam prontos a Capela-mor, a sacristia e o consistório da Igreja. Nessa época, também foi criada a Irmandade de Santa Rita de Cássia, que assumiu a administração da Igreja em 13 de maio de 1721, nesse documento, o benfeitor reservava para si o padroado da Igreja, até então propriedade particular. Tal fato abriu prolongada demanda, pois o Bispo D. Francisco de S.Jerônimo, o que colocou a Pedra Fundamental da Igreja, recusou-se a reconhecer tal intento, alegando que só o Rei de Portugal podia ser padroeiro das Igrejas no Brasil. Com a morte do benfeitor, seu filho Inácio, continuou a querela com o Bispo. Em 1741, por insistência do Bispo e ameaças até de excomunhão, o herdeiro Inácio Nascentes Pinto foi obrigado a ceder, entregando o Templo à Mitra, mas dando continuidade à questão. Certo dia, uma grave doença acometeu Inácio, deixando-o paralitico, sem voz e surdo. Considerando ser um castigo do céu por seu litígio com a Mitra, o herdeiro apelou para Santa Rita, prometendo encerrar a questão caso ficasse curado. Passados alguns dias, Inácio teve restabelecidos todos movimentos e sentidos, voltando a caminhar. Faleceu tempos depois, tendo passado a seus filhos a determinação de não mais entrar em conflito com a Mitra.

Particularidades:

O Templo foi elevado à condição de Igreja Matriz em 30 de janeiro de 1751, com a criação da Paróquia de Santa Rita. A capacidade é de 250 fiéis sentados. A Paróquia mantém um trabalho social, distribuindo mensalmente cestas básicas à 150 famílias cadastradas. O templo guarda relíquias de Santa Rita de Cássia e de Santo Lenho, sendo tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional ( IPHAN) .


Igrejas, Capelas, Oratórios e outros locais de culto na Paróquia:
- Anjo da Guarda. Rua Arjemiro Bulcão, 37/39. Saúde, Rio de Janeiro
- Nossa Senhora da Conceição. Rua Jogo da Bola, 97. Morro da Conceição, Centro.
- N. S. das Graças (Hospital Central da Marinha). Ilha das Cobras, Centro, Tel.: 2253-6434.
- Nossa Senhora do Parto. Avenida Venezuela, 153. Saúde,
- São Francisco da Prainha. Largo São Francisco da Prainha, 15. Saúde.
- N. S. de Monserrate (Mosteiro de São Bento). Rua Dom Gerardo, 68. Centro - Tel.: 2206-8100
Ministério de Música Monte Sião

O Ministério Monte Sião está presente em nossa comunidade desde 1995.O nome de nosso ministério tem por referência o Monte Santo, o Monte Sagrado que nos remete a Nova Jerusalém, aos sobreviventes, aqueles chamados de santos, nos trazendo assim um sentido maior na busca à santidade, da perseverança. Na presente data o nosso ministério é composto por 12 membros. Atuamos não só junto à liturgia das missas, mas no que consiste a ajuda da animação e palestras nos demais grupos da paróquia. Realizamos uma adoração mensal que se dá sempre no último sábado do mês, a partir das 16:00h com a partilha da palavra.

Nossos encontros se dão todos os sábados (14:00h as 19:00h) e domingos (09:30h as 11:00h). Os encontros são primados pela formação doutrinal e espiritual de nossos irmãos, aprofundando uma vida cada vez mais fraterna, comunitária.

Fica aqui nosso abraço fraterno e nossas portas abertas a recebê-los para que possamos apresentar nossa paróquia, de devoção tão forte e bonita, e compartilhar do amor de Cristo que tem sido tão bom com nosso ministério.


Roguemos a intercessão de Sta Rita

Em Deus fé, esperança e amor.

Pia União das Filhas de Maria

No dia 10 de junho de 2010 completaremos 108 anos de existência em nossa querida paróquia, dedicada a Santa Rita de Cássia.

No dia 10 de junho de 2007, foi comemorado os 105 anos da Pia União das Filhas de Maria da Matriz de Sta Rita (centro).

O Objetivo da P.U.F.M é a devoção à Nossa Senhora que é a Mãe de Deus e nossa.

No momento somos 10 Filhas de Maria e nos reunimos todos os segundos domingo do mês para participar da missa das 09:00h. Após a missa, reunião com o Pároco Padre Pedro Cunha Cruz, que é diretor da P.U.F.M, que após as orações iniciais e avisos da paróquia nos fala sobre Nossa Senhora.

As pessoas que desejam ingressar na P.U.F.M deverão comparecer a Matriz de Sta Rita no segundo domingo de cada mês na missa das 09:00h.

Estamos aguardando a sua presença. Nossa Senhora Rainha dos céus e da Terra.


Salve Maria

Pia União de Santa Rita

Histórico Pia União de Santa Rita

Criada em 24 de agosto de 1934 por Dom Sebastião Leme - arcebispo metropolitano de São Sebastião com o objetivo de divulgar a devoção a Santa Rita de Cássia.

Em nossa paróquia a Pia União é responsável pela coordenação da festa de Santa Rita e também em parceria com outras associações, realiza diversos eventos ao longo do ano. Seu estatuto prevê aos membros a obrigatoriedade de participar da missa dominical do terceiro domingo de cada mês e após esta celebração ocorre a reunião dos seus associados. Além disso, participa das missas dedicadas a Santa Rita que acontecem a cada dia 22 sempre às 9 h.

A Pia União de Santa Rita possui 57 membros cadastrados, sendo que 42 são verdadeiramente atuantes.

Santa Rita, rogai por nós.



Pastoral da Caridade Social

Fundada em 1934 juntamente com a Pia União, esta pastoral é responsável pela preparação e distribuição das cestas básicas destinadas as famílias carentes que são assistidas pela paróquia. O critério de seleção estabelece o cadastramento para pessoas idosas (com mais de 60 anos) e problemas de saúde que não tenham fonte de renda e residam nas localizações próximas a paróquia. O trabalho de preparação acontece sempre nas segundas sextas- feiras do mês, e a entrega ocorre no segundo sábado. O total de membros que compõem esta pastoral são 12, sendo 7 na preparação e 5 na entrega.

São beneficiadas 150 famílias, o grande diferencial da pastoral é ir além das necessidades de genêros alimentícios, identificando oportunidade de doações extras que possam oferecer aos beneficiados um maior bem estar, tais como: roupa de cama, banho, de uso diário em bom estado, kits escolares, etc..

Em 2009 foram entregues 1860 cestas e mais de 1000 itens extras tendo em vista as celebrações de Páscoa, Dia da Criança e Natal.



Padre Wagner

Nasceu na Maternidade Nossa Senhora Auxiliadora, Méier, como o 10º filho do casal Aluízio Flavio Moreira e Eva Roza Toledo Moreira (falecidos). No dia 08/12/1969 foi Batizado, com o Nome de Wagner Toledo Moreira, na Paróquia Nossa Senhora da Conceição [Engenho Novo], sendo os Padrinhos: Sr. Messias Bernardo e Magna Rosa da Silva. Pela mão de Pe. Alexandre Língua recebeu a Primeira Eucaristia no dia 07/12/1980. Num domingo, à tarde, 27/10/1985 tendo como Madrinha Vera Lucia da Paixão, foi Crismado por D. Hermínio, no Engenho Novo.

Ingressou no dia 28/02/1990, no pré-seminário da Antiga Catedral. No dia 28 de dezembro de 1990 foi para o Seminário São José. Recebeu o Ministério do Leitorato no dia 01/08/1993. O Acolitato foi logo em seguida, dia 12/10/1993.

Com o lema: "Para o Louvor de Cristo, a serviço da sua Igreja", juntamente com a sua turma, foi Ordenado Diácono, na manhã do dia 26/11/1994, pela Imposição das mãos de D. Karl Josef Romer.

"Também nós vamos pescar contigo!". Como doze apóstolos prostraram-se diante do Sr.Cardeal Dom Eugênio Sales, na Catedral Metropolitana e receberam a Ordenação Sacerdotal, no dia 13 de abril de 1996.

Passou pelas paróquias Santa Clara (Guaratiba), ainda diácono. E como padre, Capela de Nossa Senhora da Conceição (Monteiro) e a transformou em paróquia, depois foi transferido para a Matriz de São Geraldo (Olaria) e fundou a Capela Mãe do Redentor e São Judas Tadeu, Paróquia Santo Antônio de Pádua e Nossa Senhora da Boa Vista (Cachambi) e desde 20/03/2011, se encontra na Matriz de Santa Rita (Centro). Além disso, ainda assume a função de Major Capelão do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro e atualmente é Vigário Episcopal do Vicariato Urbano.

SANTA RITA

Por séculos Santa Rita de Cássia foi uma das Santas mais populares na Igreja Católica. Ela é conhecida como a "Santa do Impossível" por suas impressionantes respostas às orações, como também pelos notáveis sucessos de sua própria vida.

Santa Rita queria ser freira, mas por obedecer a seus pais, casou-se. Seu marido causou-lhe muitos sofrimentos, mas ela devolveu sua crueldade com oração e bondade. Com o tempo ele se converteu, chegando a ser considerado temeroso a Deus. Mas Santa Rita teve que suportar uma grande dor quando seu marido foi assassinado.

Santa Rita descobriu depois que seus dois filhos estavam pensando em vingar a morte do pai. Ela temia que eles concretizassem seus desejos de acordo com o malicioso costume de vingança. Com um amor heróico por suas almas, ela suplicou a Deus que os levasse desta vida antes de permitir-lhes cometer este grande pecado.

Não muito mais tarde ambos morreram, mas não sem antes se prepararem para encontrar com Deus. Sem seu marido e filhos, Santa Rita entregou-se à oração, penitência e obras de caridade. Depois de um tempo ela pediu para ser admitida no Convento Agostiniano de Cássia.

Ela não foi aceita, mas depois de orar a seus três santos patronos - São João Batista, Santo Agostinho e São Nicolau de Tolentino -, milagrosamente entrou para o convento e foi permitido que ficasse.

No convento, a vida de Santa Rita foi marcada por sua grande caridade e severas penitências. Suas orações obtiveram para outros curas notáveis, libertação do demônio e outros favores especiais de Deus para que ela pudesse compartilhar e alegrar na dor de Sua Coroa de Espinhos. Nosso Senhor deu à Santa Rita uma ferida de espinho em sua fronte.

Foi muito dolorosa e expelia um odor desagradável, mas ela o considerava uma graça divina. Ela orava:

"Oh amado Jesus, aumenta minha paciência na medida que aumenta meus sofrimentos."

A ferida durou para o resto de sua vida.

Santa Rita morreu com 76 anos de idade. As pessoas se amontoaram no convento para prestar seus últimos respeitos. Inumeráveis milagres tiveram lugar através de sua intercessão, e a devoção à ela estendeu-se para todos os lados.

O corpo de Santa Rita foi conservado perfeito por vários séculos e às vezes liberava uma doce fragrância. Na cerimônia de beatificação o corpo da Santa elevou-se e abriu os olhos.

Deus escutou as orações de Santa Rita pelos outros em inumeráveis ocasiões e certamente ela é feliz por poder interceder mais uma vez em nome daqueles que rogam à ela hoje para continuar percebendo a verdade de seu grande nome.

Santa Rita nasceu em um pequeno povoado chamado Roccaporena, situado na região de Cássia, na Província da Úmbria, no centro da Itália. Na Úmbria nasceram muitos filhos ilustres, entre eles São Francisco de Assis, São Bento e Santa Clara, além de Santa Rita. Os pais de Santa Rita, Antônio Mancini e Amata Ferri, formavam um casal exemplar e eram conhecidos pelos seus concidadãos como "pacificadores de Jesus Cristo". Gozavam de imenso prestígio e autoridade no meio daquela gente por causa de suas virtudes. Sua ocupação diária era visitar os vizinhos mais necessitados levando a eles ajuda espiritual e material. Para que sua felicidade fosse completa, porém, faltava ao casal um filho que estreitasse ainda mais seu amor. Apesar da idade avançada de Amata, eles não deixaram de confiar em Deus e foi assim que o Senhor atendeu às suas preces: conta a história que um anjo apareceu à ela e lhe revelou que daria à luz uma menina que seria a admiração de todos pois fora escolhida por Deus para manifestar a todos os seus prodígios. Em 1381 nasceu esta admirável criatura que foi batizada em Santa Maria dos Pobres, em Cássia, porque o pequeno povoado de Roccaporena somente passou a ter uma pia batismal em 1720. O nome de Rita, diminutivo de Margarida (Margherita, em italiano) foi revelado pelo anjo, e com esse nome a Santa se tornou conhecida para sempre. Quando Antônio e Amata iam trabalhar nos campos, colocavam sua filhinha em um cestinho de vime que levavam consigo e abrigavam-na à sombra das árvores. Um dia, enquanto lavradores e pássaros cantavam em uníssono, a criança sonhava com os olhos voltados para o céu azul. Foi quando um grande enxame de abelhas brancas a envolveu fazendo um zumbido especial. Muitas delas entravam em sua boca e aí depositavam mel, sem a ferroar, como se não tivessem ferrões. Nenhum gemido da criança aconteceu para chamar a atenção de seus pais; ao contrário, a pequena Rita dava gritinhos de alegria. Enquanto isso, um lavrador que estava próximo feriu-se com uma foice recebendo um grande talho na mão direita. Dirigindo-se imediatamente para Cássia a fim de receber os necessários cuidados médicos, ao passar perto da criança viu as abelhas que sumbiam ao redor de sua cabeça. Parou e agitou as mãos para livrá-la do enxame. No mesmo instante, sua mão parou de sangrar e o ferimento se fechou. Ele deu gritos de surpresa, o que chamou a atenção de Antônio e Amata que correram ao local. O enxame, por poucos instantes disperso, voltou ao seu lugar e mais tarde, quando Rita foi para o mosteiro de Cássia, as abelhas ficaram nas paredes do jardim interno. Este fato é relatado por todos os biógrafos da Santa e transmitido pelas tradições e pinturas que a ele se referem. A Igreja, tão exigente para aceitar as tradições, insere esta circunstância nas lições do Breviário. Tendo atribuído o nascimento de Rita a um milagre, seus pais também atribuíram este acontecimento a um prodígio divino.
Rita era para seus pais um precioso dom concedido à fé e às orações, e assim eles se esmeraram em educar a sua filha nos sentimentos religiosos. Analfabetos, procuravam transmitir à criança seus conhecimentos da vida de Nosso Senhor Jesus Cristo, da Santa Virgem Maria e dos santos populares. Apenas chegara à idade da razão e apareceram em Rita os primeiros sinais de virtude que, sob influência da graça divina, desenvolveram-se em sua bela alma. Rita era um anjo, dócil, respeitosa e obediente para com seus velhos pais, a quem amava com delírio. Os ensinamentos que seus pais lhe davam levaram-na a decidir, aos 8 anos de idade, a consagrar a sua virgindade a Jesus, esposo das virgens. Gostava tanto da vida retirada que seus pais lhe permitiram ter um oratório dentro de casa; alí passava os dias meditando no amor de Jesus e purificando seu inocente corpo com penitências. Aos 16 anos já pensava no modo de confirmar definitivamente sua consagração a Jesus Cristo por meio dos votos perpétuos. Rita chegou a pedir, de joelhos, licença para entrar no convento. Seus pais, porém, com a idade avançada, guiados pelo amor natural e não querendo deixá-la só neste mundo, resolveram casá-la com um jovem que pedira sua mão. Não se sabe exatamente qual a idade de Rita nessa época. Certos autores dizem que ela tinha 18 anos. Que lutas e que dores para o coração dessa jovem! Ela se via ntre o amor à virgindade e a obediência devida a seus pais. Não tinha coragem de dar a um homem o coração que desde a infância consagrara a Deus e, por outro lado, causavam-lhe piedade seus velhos pais, muito idosos, aos quais se acostumara a obedecer nas mínimas coisas.
O jovem que pedira a mão de Rita era Paulo Fernando, descrito como um homem pervertido, de caráter feroz e sem temor a Deus, com o qual não se podia discutir e que seria capaz de provocar um verdadeiro escândalo se Rita e seus pais não consentissem nesse casamento. Foi assim que Rita se viu obrigada a esse casamento. Quanto padeceu ela no longo período de 18 anos que viveu com seu esposo! Injuriada sem motivo, não tinha uma palavra de ressentimento; sem os direitos que à ela cabiam, não se queixava e era tão obediente que nem à Igreja ia sem a permissão de seu brutal marido. A mansidão, a docilidade e prudência da esposa, porém, suavizaram aquela rude impetuosidade, conseguindo transformar em manso cordeiro aquele leão furioso. Fernando não pôde resistir a tanta abnegação e mudou completamente de vida, tornando-se um marido respeitoso. Rita sentia-se muito feliz por ver o seu marido convertido ao bom caminho. Não se cansava de dar graças a Deus por tamanho benefício. Sentia-se feliz por educar nos princípios da religião os dois filhinhos que o céu lhe dera: João Tiago e Paulo Maria. Mas durou pouco tempo aquela felicidade de esposa e mãe! Quando menos esperava tudo mudou, e de um modo muito violento e trágico: seu marido foi ferozmente assassinado pelos inimigos que fez em sua vida de violência. Rita tomou todas as providências para um sepultamento digno para seu marido, multiplicando suas orações e penitências em sufrágio da sua alma. Praticou, ainda, o supremo ato heróico de perdoar os seus assassinos. Refeita da primeira dor causada pela morte do marido, a piedosa mulher concentrou toda sua atenção e solicitude em seus dois filhos. A mãe atenta percebia que os dois jovens apresentavam sintomas de desejos de vingança, o que ela não podia aceitar. Rita percebeu que seus filhos não mais a escutavam com a mesma docilidade e que a voz do sangue os arrastaria mais tarde ao mal. Quando se viu em tal situação, a mãe dedicada tomou uma resolução heróica e pediu a Jesus Crucificado que levasse os seus filhos inocentes se fosse humanamente impossível evitar que se tornassem criminosos. Um após outro caíram doentes os meninos e Rita os tratou com o máximo cuidado, velando para que nada lhes faltasse e procurando todos os remédios necessários para lhes conservar a vida, mesmo à custa dos maiores sacrifícios. Sabia que era seu dever socorrê-los e queria cumprir generosamente esse dever. Os meninos morreram. Foi breve o intervalo da morte de um e do outro. Eles morreram cerca de um ano depois da morte do pai. Rita depositou os corpos de seus filhos ao lado de seu marido e ficou só no mundo; só, mas com seu Deus.
Desligada dos laços do matrimônio e dos cuidados maternais pela morte do esposo e dos filhos, Rita passou a se dedicar com afinco à prática das virtudes, às obras de caridade e à oração. A caridade para com o próximo era inesgotável. Não se contentando em dar o que tinha, trabalhava com suas próprias mãos para poder fazer mais. E convidava suas amigas e conhecidas para que fizessem o mesmo. Tudo isto, porém, não bastava para aquela alma inflamada pelo amor divino. Em seus sonhos de menina, Rita sempre tinha aspirado ao claustro como a um asilo de paz para sua alma. Quando ia à cidade, ao passar diante das portas dos mosteiros onde teria podido servir a Deus com todas as suas forças, parecia-lhe que uma força interior e poderosa a atraía e ela experimentava uma santa inveja das virgens que ali estavam encerradas. Mas, que abismo entre os seus primeiros anos e seu estado atual! Embora a voz que a chamava ao estado religioso continuasse forte, poderosa e insistente, Rita sabia que não podia mais levar o frescor virginal de sua vida de menina e achava-se indigna de viver entre as virgens consagradas a Deus. Rita encorajou-se, porém, e resolveu fazer uma tentativa. Bateu à porta do convento das agostinianas de Santa Maria Madalena e expôs à superiora o seu ardente desejo. Seu aspecto humilde e piedoso causou excelente impressão na religiosa; mas o convento, que somente recebia jovens solteiras, jamais havia aberto suas portas para uma viúva, e a pobre mulher se viu rejeitada. Imaginem em que estado de alma Rita voltou a Roccaporena! Ela continuou com suas orações, suas mortificações, suas boas obras e, tendo retomado a confiança, voltou ainda por duas vezes à porta do mosteiro de Santa Maria Madalena, sofrendo duas novas rejeições. Rita se abandonou à vontade de Deus, recomendando-se mais do que nunca a seus santos protetores. Quando Deus a viu perfeitamente resignada e confiante, teve compaixão dela e, uma noite, quando estava em oração, ouviu chamar: "Rita! Rita!". Ela não viu ninguém e, pensando ter se enganado, voltou às suas orações. Mas, pouco depois, ouviu novamente: "Rita! Rita!". Desta vez, teve a certeza de que não se enganara. Levantando-se, abriu a porta e foi à rua. Eram 3 homens e Rita não tardou a reconhecê-los: eram seus protetores São João Batista, Santo Agostinho e São Nicolau de Tolentino, que a convidaram para segui-los. Em êxtase, como num sonho, ela os seguiu e em pouco tempo estava em Cássia, diante do convento de Santa Maria Madalena. As religiosas dormiam e a porta estava bem trancada. A mesma porta que por três vezes se fechara diante dela, a porta que lhe era a entrada do paraíso terrestre. Era impossível abrir essa porta por meios humanos, mas os santos que Deus enviara para acompanhá-la fizeram com que Rita se encontrasse no interior do mosteiro. Quando as religiosas desceram para se reunir no coro, ficaram estupefatas ao encontrar a santa mulher que tinha sido insistentemente rejeitada. Como entrara ela, se o mosteiro estava completamente fechado e não havia sinal algum de abertura ou arrombamento? As freiras se impressionaram com o relato que Rita fez do acontecido e, diante de um milagre tão estupendo, reconheceram os desígnios de Deus e admitiram jubilosas em sua companhia aquela criatura que era mais angelical que humana.
A primeira coisa que Rita fez, ao ser admitida no convento, foi repartir entre os pobres todos os bens que possuía. Livre dos empecilhos terrenos, admirável era a sua obediência, profunda era a sua humildade, grandes eram as suas mortificações e penitências. Para colocar à prova a obediência da noviça, a superiora do convento ordenou-lhe que regasse de manhã e à tarde um galho seco, provavelmente um ramo de videira ressequido e já destinado ao fogo. Rita não ofereceu dificuldade alguma, e de manhã e de tarde, com admirável simplicidade, cumpria essa tarefa, enquanto as irmãs a observavam com irônico sorriso. Isso durou cerca de um ano, segundo certas biografias da santa. Um belo dia as irmãs se assombraram: a vida reapareceu naquele galho ressequido, surgiram brotos, apareceram folhas e uma bela videira se desenvolveu maravilhosamente dando a seu tempo deliciosas uvas. E essa videira, velha de vários séculos, ainda hoje está viçosa no convento. Em 1443 veio à Cássia para pregar a Quaresma São Tiago de La Marca. O sermão da paixão de Nosso Senhor sensibilizou profundamente Rita que havia comparecido junto com as outras religiosas para ouvir a pregação. Voltando ao convento, profundamente emocionada com o que ouvira, prostrou-se diante da imagem do crucifixo que se achava em uma capela interior e suplicou ardentemente a Jesus que lhe concedesse participar de suas dores. E eis que um espinho se destacou da coroa do crucifixo, veio a ela e entrou tão profundamente em sua testa que a fez cair desmaiada e quase agonizante. Quando voltou a si, a ferida lá estava atestando o doloroso prodígio. Enquanto as chagas de São Francisco e de outros santos tinham a cor do sangue puro e não eram repugnantes, a de Rita se converteu numa ferida purulenta e fétida, de maneira que a pobre vítima, para não empestear a casa, teve de ser recolhida a uma cela distante onde uma religiosa lhe levava o necessário para viver. Ela suportou a ferida durante 15 anos. Em 1450 foi celebrado o jubileu em toda a Cristandade e como algumas irmãs estavam se preparando para ir a Roma, Rita manifestou um ardente desejo de as acompanhar, mas seu estado de saúde estava se agravando devido à ferida que o espinho havia deixado em sua testa. Sendo assim as irmãs acharam que Rita não deveria ir. Então ela pediu a Deus para a ferida desaparecer e foi mais uma vez atendida e conseguiu acompanhar as irmãs agostinianas a Roma, com grande proveito para sua alma. Mas logo que voltou da viagem a ferida reapareceu e também uma enfermidade incurável que lhe causava um grande sofrimento. Incapaz de se alimentar durante os últimos dias de sua vida, Rita alimentava-se apenas da Santa Comunhão. Em meio às dores que castigavam seu corpo ela conservava a alegria do espírito e um sorriso encantador brilhava constantemente em seu rosto.
No último período de sua vida aconteceu um fato que era a prova do carinho que Deus dispensava à sua Serva. Durante um rigoroso inverno, pessoas de Rocaporena descobriram na horta de Rita uma roseira coberta de lindas rosas e uma figueira com frutos maduros e saborosos. Rita ficou feliz com esta maravilhosa notícia e sentiu-se profundamente consolada e louvava cada vez mais a Deus. Explicam esses fatos o piedoso costume de enfeitarem a imagem da Santa, particularmente no dia de sua Festa, com rosas, figos, cachos de uvas e abelhas. A Santa Igreja mesma parece querer perpetuar o milagre das rosas aprovando a Bênção das Rosas que se faz no dia da Festa ou no dia 22 de cada mês, para alívio dos enfermos. A doença da Santa estava cada dia piorando e as dores tinham se tornado insuportáveis. Com orações e santas aspirações ela se preparou para receber os sacramentos finais e entre expressões de amor a Jesus e Maria sua alma se libertou dos vínculos que a prendiam à terra. Finalmente, com mais de 70 anos de idade e 40 de vida religiosa, faleceu Santa Rita em Cássia no velho Convento das Agostinianas no dia 22 de maio de 1457, recheada com visões celestiais e depois de ter recebido com muita piedade os últimos sacramentos. Neste momento mãos invisíveis tangeram os sinos do convento e da vila de Cássia entoando um hino triunfal das esposas eternas, convidando a comunidade e a população para fazer um coro na glorificação da alma daquela que viveu e morreu na santidade. A morte de Rita foi acompanhada de muitos milagres. Na cela onde ela faleceu apareceu uma luz de grande esplendor e um perfume especial se fez sentir em todo o mosteiro. A ferida do espinho, antes de aspecto repugnante tornou-se brilhante, limpo e da cor de rubi. Centenas de pessoas compareciam ao convento para ver a "Santa" cujo cadáver ficou em exposição além do tempo legal. As religiosas cantavam hinos de agradecimento a Deus por ter exaltado no céu e na terra sua serva.
O culto à bem aventurada da vila de Cássia rapidamente se estendeu sobre a Itália e as nações de Portugal e Espanha, onde por causa dos milagres obtidos por sua intercessão o povo lhe deu o nome de " Santa das Causas Impossíveis". Em 1628 Urbano VIII lavrou o decreto de beatificação da Santa com um especial indulto do Papa Bento XIII de 1727. Muitos contratempos fizeram com que se protelasse a canonização, que só aos 24 de Maio de 1900 se realizou sob o pontificado de Leão XIII. Contudo, já em 1577 se erguia em Cássia uma igreja à Santa das causa desesperadas e impossíveis.

Santa Rita, antes de mais nada, quer transmitir sua mensagem às mulheres de todas as idades e condições, porque ela conhecer pessoalmente os papéis femininos de filha, esposa, mãe, viúva e religiosa.

Santa Rita anuncia à mulher, o evangelho da liberdade, liberdade der ser ela mesma, de defender a própria dignidade e a de quem é mais fraco.

Ela proclama o evangelho da interioridade, porque sem esta, não existe liberdade, e as coisas passageiras podem facilmente seduzir e escravizar o coração.

anta Rita encarna o evangelho do serviço, porque somente quem perde a própria vida por amor a encontra verdadeiramente.

Santa Rita anuncia aos esposos o evangelho da fidelidade ao próprio cônjuge.

Ela proclama o evangelho do perdão, porque quem erra anda errante e somente será ajudado se não for condenado por nós.

Aos pais, Santa Rita anuncia o evangelho da coerência, porque, de fato, só se é educador pelo exemplo.

Ela anuncia o evangelho da confiança, para que, a família, egoisticamente, não se feche ao futuro e não destrua a vida.

Ela proclama o evangelho da oração, porque abrir-se a Deus, significa construir a própria família sobre a rocha.

Santa Rita se dirige aos jovens de hoje como uma mãe aos próprios filhos.

Ela anuncia aos jovens o evangelho da esperança, porque a vida tem sentido, porque Deus nos ama e não nos deixa sozinhos.

Ela proclama o evangelho da obediência, porque somente partindo da humildade se constroem grandes coisas.

Santa Rita anuncia aos jovens o evangelho da generosidade, porque com esforço próprio pode-se superar a lógica do ódio e da violência.

A quem sofre Santa Rita anuncia o evangelho da proximidade do Deus Crucificado, Consolador e Salvador.

Ela proclama o evangelho da fortaleza em carregar a própria cruz junto a Cristo.

Santa Rita encarna o evangelho da compaixão, porque sofre com quem sofre e socorre todo sofrimento com a sua poderosa intercessão.

À pessoa consagrada (religiosos e religiosas) Santa Rita anuncia o evangelho da alegria que surge da doação total a quem vale muito mais do que o cêntuplo: o Senhor Jesus.

Ela proclama aos consagrados o evangelho da comunhão, porque na tensão em configurar-se a Cristo "não mais exista homem ou mulher, e todas as divisões sejam superadas".

Enfim, a todas as pessoas que encontra, Santa Rita anuncia o evangelho da paz universal, para que sejamos todos sempre irmãos e irmãs, filhos e filhas do mesmo Pai.

Ó poderosa e gloriosa Santa Rita,
eis a vossos pés um alma desamparada que,
necessitando de auxílio,
a vós recorre com a doce esperança
de ser atendida por vós
que tendes o incomparável título
de SANTA DOS CASOS IMPOSSÍVEIS E DESESPERADOS.

Ó cara Santa, interessai-vos pela minha causa,
intercedei junto a Deus
para que me conceda a graça
de que tanto necessito (dizer a graça que deseja).

Não permitais que tenha de me afastar
dos vossos pés sem ser atendido.
Se houver em mim algum obstáculo
que me impeça de obter a graça que imploro,
auxiliai-me para que o afaste.
Envolvei o meu pedido
em vosso preciosos méritos
e apresentai-o a vosso celeste esposo, Jesus,
em união com a vossa prece.

Ó Santa Rita,
eu ponho em vós toda a minha confiança;
por vosso intermédio,
espero tranquilamente a graça que vos peço.

Santa Rita, advogada dos impossíveis, rogai por nós.

1- Ó poderosa Santa Rita, advogada em toda
causa urgente, escutai benigna as súplicas de
um coração angustiado, e dignai-vos alcançar me
a graça de que tanto necessito.
Pai-nosso, Ave Maria, Glória

2- Ó poderosa Santa Rita, advogada nos casos
desesperados, confiante no poder de vossa intercessão,
a vós recorro. Dignai-vos abençoar minha firme esperança de obter por vossa intercessão a
graça de que tanto necessito.
Pai-nosso, Ave Maria, Glória

3- Ó poderosa Santa Rita, socorro na ultima
hora, a vós recorro cheio de fé e amor, pois sois
o meu último refúgio nessa ocasião. Intercedei
por mim, e vos hei de bendizer por toda a
eternidade.
Pai-nosso, Ave Maria, Glória

Ó Santa Rita, filha obediente, esposa amável de um homem difícil, mãe paciente de filhos indomáveis, irmã bondosa e compreensiva das religiosas do convento, mulher sofredora e fiel a Jesus, modelo de vida para todas as famílias, dignai-vos mostrar aqui vosso auxílio poderoso.

Vós conheceis a humanidade e seu sofrimento. Vós sabeis também das minhas necessidades e do pedido que venho depositar a vossos pés, confiando na vossa poderosa intercessão junto a Deus.

Concedei-me a graça mais importante: a de viver sempre na amizade de Deus e com os irmãos, ouvindo a Palavra do Evangelho, participando dos Sacramentos, crescendo na Fé e na vida de Comunidade. Inúmeras pessoas ajudastes, em casos desesperados e quase impossíveis, tornando-se assim um refúgio seguro para todos os que rezam com fé.

Não esqueçais meu fervoroso pedido, vós que, como ninguém, tivestes o privilégio de se identificar com Cristo no mistério da cruz. Ajudai-me a carregar a minha cruz e a seguir com coragem o meu caminho.

Ó poderosa Santa Rita, sede minha protetora. Amém!

Deus, nosso Pai e Amigo, sois o criador e conservador da vida e do mundo, sois a fonte de onde brotam todas as graças e bênçãos. Abençoai Vossos filhos que, confiantes, vos dirigem esta prece, pela intercessão de Santa Rita de Cássia.

Socorrei os pobres, as viúvas, os órfãos, e dai-nos um coração pobre e generoso. Curai os doentes, os alcoólatras, os drogados, e dai-nos um coração puro e misericordioso. Confortai os aflitos, convertei os pecadores, iluminai os que andam nas trevas do erro, da ignorância e da mentira, e dai-nos um coração sábio e verdadeiro. Abençoai nossas famílias nossos amigos, os que conosco trabalham e todos aqueles por quem somos obrigados a rezar, e dai-nos um coração justo e fraterno.

Ajudai-nos em todas as nossas dificuldades, para que levemos uma vida digna da vocação cristã e construamos um mundo que seja verdadeiro sinal do Vosso Reino.

Rogai por nós, Santa Rita de Cássia, para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

Oremos: Ó Deus, nosso Pai, Santa Rita correspondeu plenamente às vossas graças e imitou de tal modo o Vosso Filho, no perdão e no amor aos inimigos, que mereceu trazer um seu coração e em sua fronte os sinais da paixão. Concedei-nos, por sua intercessão e exemplo, que amemos a Vós de todo o coração e aos irmãos com a mais perfeita caridade, a fim de recebermos, uma dia, a recompensa prometida no Evangelho. Por Jesus Cristo, nosso Senhor. Amém!

Ó gloriosíssima Santa Rita, padroeira e advogada nossa, consolação das almas aflitas, modelo de esposa e mãe cristã. Vós que tivestes nesta vida um esposo terreno que purificou a Vossa virtude e agora sois esposa amantíssima de Jesus Cristo, alcançai-me de Deus a graça de conservar meu coração puro e limpo de todo pecado e levar com santa resignação a cruz do matrimônio.

Guardai, como anjo do paraíso, a religião e a piedade em minha casa e em minha família.

Compadecei-vos de meu esposo e muito especialmente dos meus tenros e amados filhos. Não me abandoneis na vida e na morte para que, imitando Vossos exemplos e virtudes, possa gozar em Vossa amável companhia, da glória eterna. Amém!

(Para ser recitada no dia de sua festa, 22 de maio)

Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo - Amém.

Ó gloriosa Santa Rita, uma prece fervorosa brota espontaneamente do nosso coração neste dia consagrado a vós pela Igreja, nossa Mãe.

Nesta hora solene, na qual milhares de corações se dirigem a vós cheios de fé e santa confiança de experimentarem vossa celeste proteção, eu também uno minha prece ao Sacratíssimo Coração de Jesus e à sua Mãe Maria Imaculada, para obter as graças de que tanto preciso.

Ó grande Santa da Igreja de Deus, não será possível que minha confiança em vosso patrocínio seja frustrada! Não sois vós aquela que o povo denomina a Santa dos Impossíveis, a advogada dos casos desesperados? Eu justamente me acho em tão tristes condições por causa dos meus pecados!

Não afasteis de mim o vosso olhar, não me fecheis o coração; eu estou certo que experimentarei a vossa poderosa intercessão. Reconheço-me indigno por causa dos meus pecados; pois bem, mostrai a vossa caridade, o vosso grande amor, obtendo-me a salvação para a minha alma.

Esta é a graça que principalmente peço a Deus pela vossa intercessão, neste dia comemorativo da vossa entrada no Paraíso. Com esta graça, alcançai-me também as outras, que me são necessárias, segundo a vontade divina.

Ó boa Santa Rita, recebei os meus votos, ouvi os meus gemidos, enxugai as minhas lágrimas e eu também proclamarei ao mundo o amor de Deus (aqui se apresenta o pedido a Deus por meio da Santa Rita de Cássia, que certamente será atendido).

Neste dia de glória, no qual aumenta e mais viva se faz a confiança no Vosso patrocínio, peço-vos: obtende de Deus a bênção que imploro, para mim, para os presentes, para o Vigário de Jesus Cristo, o Episcopado Católico, o Sacerdócio, para os vossos Religiosos, Irmãos e Irmãs de hábito, que formam a ordem do grande Santo Agostinho, para os benfeitores do vosso Santuário e Mosteiro de Cássia, para os propagadores do vosso culto, para os enfermos, os pobres, os aflitos, os pecadores, para todos e para as Almas do Purgatório.

Ó Santa Rita, esposa amabilíssima de Jesus Crucificado, de quem recebestes como dom um espinho de sua sacratíssima coroa, neste dia de triunfo ajudai-me e com vossa proteção acompanhai-me até a hora da minha morte. Assim seja.

Ó poderosa e gloriosa Santa Rita, eis a vossos pés uma alma desamparada que, necessitando de auxílio, a vós recorre com a doce esperança de ser atendida.

Por causa da minha indignidade e de minhas infidelidades passadas, não ouso esperar que minhas preces cheguem a mover o coração de Deus e é por isto que sinto a necessidade de uma medianeira toda poderosa, e foi a vós que me dirigi, Santa Rita, com o incomparável título de "Santa das Causas Impossíveis e Desesperadas".

Ó cara Santa, interessai-vos pela minha causa, intercedei junto a Deus para que me conceda a graça de que tanto necessito e que ardentemente desejo. (fazer o pedido)

Não permitais que me afaste de vossos pés sem ser atendido. Se houver em mim algum obstáculo que me impeça de obter a graça que imploro, auxiliai-me para que o afaste; envolvei minha prece em vossos preciosos méritos e apresentai-a a vosso celeste esposo em união com a vossa. Assim, enriquecida por vós, esposa fidelíssima entre as mais fiéis, por vós que sentistes as dores da sua paixão, como poderá Deus repeli-la ou deixar de atendê-la?

Ó cara Santa Rita, que jamais diminua a confiança e esperança que em vós coloquei; fazei com que não seja vã a minha súplica; obtende-me de Deus o que peço; a todos farei, então, conhecer a bondade do vosso coração e a onipotência da vossa intercessão.

E vós, coração admirável de Jesus, que sempre vos mostrastes tão sensível às menores misérias da humanidade, deixai-vos enternecer pelas minhas necessidades e, sem olhar minha fraqueza e indignidade, concedei-me a graça que tanto desejo e que por mim e comigo vos pede vossa fiel esposa Santa Rita.

Oh! sim, pela fidelidade com que Santa Rita sempre correspondeu à graça divina, por todos esses dons com os quais quisestes cumular sua alma, por tudo quanto sofreu em sua vida de esposa, de mãe, e como participante de vossa dolorosa paixão, concedei-me esta graça que me é tão necessária.

E vós, ó Virgem Maria, como nossa boa Mãe do céu, depositária dos tesouros divinos e dispensadora de todas as graças, sustentai com vossa poderosa intercessão a de vossa grande devota Santa Rita, para me alcançar de Deus a graça desejada. Assim seja

Poderosa Santa Rita, a quem Deus constituiu Auxiliadora dos Cristãos, nós vos escolhemos como Senhora e Protetora desta casa. Dignai-vos mostrar aqui o vosso poderoso auxílio.

Preservai esta casa de todo perigo: do incêndio, da inundação, do raio, das tempestades, dos ladrões, dos malfeitores, da guerra e de todas as outras calamidades que conheceis.

Abençoai, protegei, defendei e guardai como coisa vossa as pessoas que vivem nesta casa. Sobretudo, concedei-lhes a graça mais importante: a de viverem sempre na amizade de Deus, evitando o pecado.

Dai-lhes a fé que tivestes na Palavra de Deus e o amor que nutristes para com o vosso Salvador Jesus Cristo e para com todos aqueles pelos quais Ele morreu na cruz.

Gloriosa Santa Rita, rogai por todos os que moram nesta casa que vos foi consagrada. Amém!

Senhor, compadecei-vos de nós !
Cristo, compadecei-vos de nós!
Senhor, compadecei-vos de nós !
Cristo, ouvi-nos !
Cristo, escutai-nos !
Pai celestial, que sois Deus,
tende misericórdia de nós !
Filho, Redentor do mundo, que sois Deus,
tende misericórdia de nós !
Espírito Santo que sois Deus,
tende misericórdia de nós !
Trindade Santa, que sois um só Deus,
tende misericórdia de nós !
Santa Maria,
rogai por nós !
Santa Mãe de Deus,
rogai por nós !
Santa Virgem das virgens,
rogai por nós !
Santa Rita, sol luminoso para guiar ao porto da salvação.
rogai por nós !
Santa Rita, intercessora dos aflitos.
rogai por nós !
Santa Rita, Anjo de caridade,
rogai por nós !
Santa Rita, serafim inflamado no amor divino,
rogai por nós !
Santa Rita, modelo exemplar das esposas,
rogai por nós !
Santa Rita, coroada com os espinhos de Cristo crucificado,
rogai por nós !
Santa Rita, valioso auxílio em todas as necessidades,
rogai por nós !
Santa Rita, sol brilhante da Igreja católica,
rogai por nós !
Pelo inexplicável gozo que tivestes no dia da vossa profissão,
amparai esta súplica !
Pelas particulares consolações que gozou a vossa alma
amparai esta súplica !
Pelas graças que recebestes do Santíssimo Sacramento da Eucaristia,
amparai esta súplica !
Pela cruz de um marido incompatível,
amparai esta súplica !
Pelas dores crudelíssimas que sofreste em vossa fronte,
amparai esta súplica !
Por todas as vossa tribulações
amparai esta súplica !
Pela vossa vida paciente, penitente e solitária.
amparai esta súplica !
Vós, cujo coração foi um trono da majestade divina
amparai esta súplica !
Vós que, sendo uma criatura terrena, pareceis um querubim celeste,
amparai esta súplica !
Vós que recebestes o poder de triunfar dos impossíveis
amparai esta súplica !
Vós que sois a consoladora dos necessitados.
amparai esta súplica !
Vós que fostes assinalada com o selo de Jesus Cristo.
amparai esta súplica !
Vós que tudo podeis junto a Jesus e Maria.
amparai esta súplica !
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo,
perdoai-nos, Senhor !
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo,
ouvi-nos, Senhor !
Cordeiro de Deus, que tirais os pecados do mundo,
tende misericórdia de nós !
V. - Assinalastes, Senhor, a vossa serva Rita.
R - Com o sinal de vossa caridade e paixão.

OREMOS
Deus, que vos dignastes conferir à Santa Rita tamanha graça que, havendo ela vos imitado no amor aos seus inimigos, trouxe no coração e na fronte os sinais de vossa caridade e sofrimento, concedei, nós vo-lo suplicamos, que pela sua intercessão e merecimento amemos os nossos inimigos e com espinho da compunção, perenemente contemplemos as dores de vossa paixão e mereçamos receber a recompensa prometida aos mansos e humildes. Amém.

É com o coração profundamente comovido e perturbado que hoje venho a vós, ó gloriosa e poderosa Santa Rita. Na hora do perigo, no momento em que estava ameaçada a minha felicidade e a dos que me são caros, a vós roguei com a alma aflita e cheia de apreensão.

A vós supliquei, a vós que todos chamam de Santa dos Impossíveis, Advogada nos Casos Desesperados, Refúgio na Última Hora... Não foi iludida a minha confiança em vós.

Agora volto a vós, não mais com as lágrimas do sofrimento nos olhos, mas com alegria e serenidade no coração, para vos ofertar meu infinito reconhecimento.

Esta alegria, esta serenidade, a vós as devo, cara Santa, a vós que intercedestes em meu favor junto a Deus, apesar da minha indignidade, e me alcançastes a graça desejada.

Quisera poder melhor exprimir-vos o profundo sentimento de gratidão que enche meu coração, ó Santa milagrosa, ó consoladora dos aflitos, mas a própria emoção causada pela felicidade de ter obtido esta graça paralisa minhas expressões e somente sei murmurar: graças vos dou, muitas graças, mil graças, Santa Rita.

Para vos demonstrar, então, de maneira mais eficaz meu infinito reconhecimento, prometo-vos propagar com zelo cada vez maior o vosso culto, fazer-vos amada por aqueles que não vos conhecem ainda e que não têm, como eu, a felicidade de ter experimentado vossa infinita benevolência.

Prometo-vos auxiliar, segundo as minhas possibilidades, a manutenção do vosso culto e participar, sempre que possível, das cerimônias celebradas em vossa honra. Para tornar-me sempre mais digno do auxílio do céu e da vossa santa proteção, tomo a partir de hoje a resolução de cumprir com maior zelo e fervor os meus deveres cristãos.

Ó cara Santa Rita, a vós confio o cuidado de apresentar a Deus estas sinceras resoluções e de lhe agradecer por mim a graça generosamente concedida. Dignai-vos, enfim, não me desamparar jamais e continuai a dispensar-me vossa santa e ativa proteção, a fim de que possa um dia encontrar-vos no céu e dizer-vos melhor todo o meu reconhecimento. Amém!

Creio em um só Deus
Pai todo-poderoso,
criador do céu e da terra
de todas as coisas visíveis e invisíveis.

Creio em um só Senhor, Jesus Cristo,
Filho Unigênito de Deus,
nascido do Pai antes de todos os séculos;
Deus de Deus,
Luz da Luz,
Deus verdadeiro de Deus verdadeiro;
gerado, não criado,
consubstancial ao Pai.

Por ele todas as coisas foram feitas.
E por nós, homens, e para nossa
salvação, desceu dos céus
e se encarnou pelo Espírito Santo,
no seio da Virgem Maria,
e se fez homem.
Também por nós foi crucificado sob
Pôncio Pilatos;
padeceu e foi sepultado.

Ressuscitou ao terceiro dia,
conforme as Escrituras,
e subiu aos céus,
onde está sentado à direita do Pai.

E de novo há de vir, em sua glória,
para julgar os vivos e os mortos;
e o seu reino não terá fim.

Creio no Espírito Santo,
Senhor que dá a vida,
e procede do Pai e do Filho;
e com o Pai e o Filho
é adorado e glorificado:
Ele falou pelos profetas.

Creio na Igreja,
una, santa, católica e apóstolica.
Professo um só batismo
para a remissão dos pecados.
E espero a ressurreição dos mortos
e vida do mundo que há de vir.
Amém.

Pai Nosso, que estais no Céu
Santificado seja o Vosso Nome
Venha a nós o Vosso Reino
Seja feita a Vossa Vontade,
Assim na Terra como no Céu
O Pão-Nosso de cada dia nos daí hoje
Perdoai-nos as nossas ofensas
Assim como nós perdoamos a
Quem nos tem ofendido
E não nos deixeis cair em tentação
Mas livrai-nos do Mal.
Amém

Ave-Maria, cheia de graça!
O Senhor é convosco
Bendita sois vóis entre as mulheres
E Bendito é o Fruto do vosso ventre, Jesus
Santa Maria Mãe de Deus,
Rogai por nós os pecadores
Agora e na hora de nossa morte.
Amém

Salve Rainha, Mãe de Misericórdia
Vida, doçura e esperança nossa, Salve!
A Vós bradamos, os degredados filhos de Eva
A Vós suspiramos, gemendo e chorando
neste Vale de Lágrimas.
Eia, pois, advogada nossa
Esses Vossos olhos misericordiosos
A nós volvei!
E depois desse desterro,
Mostrai-nos Jesus, bendito fruto do Vosso Ventre
Ó Clemente,
Ó Piedosa,
Ó Doce Sempre Virgem Maria.
Rogai por nós Santa Mãe de Deus,
Para que sejamos dignos das promessas de Cristo. Amém.

Senhor, eu me arrependo sinceramente de todo mal que pratiquei e do bem que deixei de fazer. Pecando, eu vos ofendi, meu Deus e sumo bem, digno de ser amado sobre todas as coisas. Prometo firmemente, ajudado com a vossa graça, fazer penitência e fugir às ocasiões de pecar. Senhor, tende piedade de mim, pelos méritos da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo, nosso Salvador.

Glória ao Pai , ao Filho e ao Espírito Santo.
Assim como era no princípio , agora e sempre.
Amém

Santo Anjo do Senhor;
meu zeloso guardador,
já que a ti me confiou
a piedade divina,
sempre me rege,
guarda, governa e ilumina.
Amém

Dai-lhes, Senhor, o repouso eterno.
E brilhe para eles a vossa luz.
Descansem em paz. Amém.

1 – Ó meu Jesus, que dissestes: “Em verdade, vos digo, pedi e recebereis, procurai e achareis, batei e ser-vos-á aberto!” Eis que bato, procuro e peço a graça...

Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Sagrado Coração de Jesus, confio e espero em vós!

2 – Ó meu Jesus, que dissestes: “Em verdade, vos digo, qualquer coisa que peçais ao meu Pai, no meu nome, Ele vo-la concederá!” Eis que ao Vosso Pai, no Vosso nome, eu peço a graça...

Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Sagrado Coração de Jesus, confio e espero em vós!

3 – Ó meu Jesus, que dissestes: “Em verdade, vos digo, passarão o céu e a terra, mas as minhas palavras, jamais!” Eis que, apoiado na infalibilidade das Vossas santas palavras, eu Vos peço a graça...

Pai Nosso, Ave Maria e Glória

Sagrado Coração de Jesus, confio e espero em vós!

ORAÇÃO

Ó Sagrado Coração de Jesus, a quem uma única coisa é impossível, isto é, a de não ter compaixão dos infelizes, tende piedade de nós, míseros pecadores, e concedei-nos as graças que Vos pedimos por intermédio do Coração Imaculado da Vossa e nossa terna Mãe.

São José, Amigo do Sagrado Coração de Jesus, rogai por nós. – Salve Rainha.

Esta Grande Promessa trata-se apenas de uma das "12 Promessas" de Jesus aos devotos de Seu Sagrado Coração:

"Eu prometo, na excessiva misericórdia do meu Coração, que meu amor todo-poderoso concederá a todos aqueles que comungarem, em nove primeiras sextas-feiras do mês seguidas, a graça da penitência final, que não morrerão na minha desgraça, nem sem receberem seus sacramentos e que o meu divino Coração será o seu asilo seguro no último momento."

Para merecer a graça da Grande Promessa, é necessário:
1. Receber a Santa Comunhão na primeira sexta-feira de cada mês, por nove meses seguidos.
2. Para comungar é INDISPENSÁVEL estar na graça de Deus.
3. Quem tiver pecado grave, deve fazer voa confissão, antes de comungar. O dever da CONFISSÃO é uma lei grave da Igreja, ainda hoje em vigor.

A consagração do dia da primeira sexta-feira de cada mês deve ser preparada, de véspera, pelo piedoso exercício da "Hora Santa", prática revelada por Jesus a Santa Margarida Maria:

"E para me acompanharem na humilde oração que eu apresentei a meu Pai, no meio de todas as minhas angústias, todas as quintas-feiras levantar-te-ás, entre as onze horas e a meia noite, para comigo te prostrares durante uma hora, com o rosto em terra, assim para aplacar a ira divina, pedindo misericórdia para com os pecadores, como para adoçar, de alguma maneira, a amargura que eu sentia com o desamparo em que me deixavam meus apóstolos, o qual me obrigou a lançar-lhes em rosto o não terem podido velar uma hora comigo."

Darei a eles as graças necessárias ao seu estado.

Levarei socorro às famílias que se encontram em dificuldades e instaurarei a paz nas famílias divididas.

Os consolarei nas suas aflições.

Serei seu seguro refúgio em vida e especialmente na hora da morte.

Espalharei abundantes bençãos sobre todas as suas obras.

Os pecadores encontrarão no Meu Coração a fonte e o oceano da Misericórdia.

As almas mornas se tornarão fervorosas.

As almas fervorosas alcançarão em breve grande perfeição.

Abençoarei os lugares onde a imagem do meu Sagrado Coração for exposta e honrada.

A todos aqueles que trabalharem pela salvação das almas darei o dom de comover os corações mais endurecidos.

O nome daqueles que propagarem a devoção ao Meu Sagrado Coração será escrito no Meu Coração e não será nunca esquecido.

Eu te prometo, no excesso da Misericórdia do Meu Coração, que o Meu Amor Onipotente concederá a todos aqueles que comungarem na primeira sexta-feira do mês, por nove meses consecutivos, a graça da penitência final. Esses não morrerão em minha desgraça, nem sem receber os Sacramentos, e o Meu Coração será o seu abrigo seguro naquela hora extrema.

Nossa Senhora no dia 10 de dezembro de 1925, em Pontevedra, aparecendo à Irmã Lúcia com o Seu Imaculado Coração cercado de espinhos, disse-lhe:

"Tu, ao menos, vê de Me consolar e diz que todos aqueles que durante cinco meses, no Primeiro Sábado

se confessarem

receberem a Sagrada Comunhão

rezarem o Terço

e Me fizerem 15 minutos de companhia, meditando nos Mistérios do Rosário com o fim de Me desagravarem

Eu prometo assistir-lhes na hora da morte com todas as graças necessárias para a salvação dessas almas".

Esta devoção deve ser feita durante 5 meses seguidos.

Havendo motivo justo, qualquer sacerdote poderá transferir todas, ou algumas das condições para o domingo seguinte.

A vós, São José, recorremos em nossa tribulação e, depois de ter implorado o auxílio de vossa santíssima esposa, cheios de confian a solicitamos também o vosso patrocínio. Por esse laço sagrado de caridade, que vos uniu à Virgem imaculada, Mãe de Deus, e pelo amor paternal que tivestes ao Menino Jesus, ardentemente vos suplicamos que lanceis um olhar benigno para a herança que Jesus Cristo conquistou com o Seu Sangue e nos socorrais em nossas necessidades com o vosso auxílio e poder.

Protegei, ó guarda providente da Sagrada Família a raça eleita de Jesus Cristo. Afastai para longe de nós, ó Pai amantíssimo, a peste do erro e do vício.

Assisti-nos do alto do céu, ó nosso fortíssimo sustentáculo, na luta contra o poder das trevas. E assim como outrora salvastes da morte a vida ameaçada do Menino Jesus, assim também defendei agora a santa Igreja de Deus das ciladas dos seus inimigos e contra toda a adversidade.

Amparai a cada um de nós com o vosso constante patrocínio, a fim de que, a vosso exemplo e sustentados por vosso auxílio, possamos viver virtuosamente, piedosamente morrer e alcançar no céu a eterna bem-aventurança.

Amém.

Lembrai-Vos, ó piíssima Virgem Maria,
de que nunca se ouviu dizer que algum daqueles que tivesse recorrido à vossa proteção,
implorado a vossa assistência, reclamado o vosso socorro, fosse por Vós desamparado.
Animado eu, pois, de igual confiança, a Vós, Virgem entre todas singular,
como a Mãe recorro; de Vós me valho, gemendo sob o peso dos meud pecados, e me prostro a vossos pés.
Não desprezeis minhas súplicas, ó Mãe do Filho de Deus humanado,
mas dignai-Vos de as ouvir propícia e de me alcançar o que Vos rogo. Amém

- Refugium peccatorum, Ora pro nobis - Ave Maria
- Consolatrix afflictorum, Ora pro nobis - Ave Maria
- Auxilium Christianorum, Ora pro nobis - Ave Maria

Esta oração concede uma indulgência aplicável de três anos toda vez às almas do Purgatory, que você diz para isso. Indulgência está completa se a oração disse diariamente durante um mês inteiro.

TRANSMISSÃO ONLINE

Para iformações sobre os horários das Missas, consulte nosso calendário semanal clicando no botão abaixo.
Horário das Missas

TRANSMISSÃO ONLINE ESTARÁ DISPONÍVEL EM BREVE

FOTOGALERIA

MAIS IMAGENS

CONTATO

Entre em contato conosco. Estamos aguardando suas mensagens.

Largo de Sta Rita, s/nº, Centro, Rio de Janeiro, RJ

+55 21.2233.2731/ 21.2253.7564

santarita@matrizdesantarita.org.br

Secretaria: matrizdesantarita@gmail.com

Pedidos de oração: odiarioderita@gmail.com